ASMA DE DIFÍCIL CONTROLE

por Dr. Nelson Guiherme e Dra Fátima Emerson

Artigos para leigos

As doenças alérgicas estão aumentando

Nas últimas duas décadas tem havido aumento significativo das doenças alérgicas, dentre elas a asma brônquica. Estima-se que, provavelmente, 300 milhões de pessoas sejam afetadas em todo o mundo, com previsão de 400 milhões de asmáticos em 2025.

Felizmente, a maioria dos casos de asma (indevidamente chamada de bronquite alérgica, bronquite asmática ou simplesmente bronquite) é bem controlada com o tratamento. Entretanto, se o paciente per manecer com os sintomas apesar da medicação adequada e afastadas outras causas, consideramos como sendo portador de asma de difícil controle.

O que é asma mal controlada ?

Asma mal controlada não deve ser confundida com asma de difícil controle. Na asma mal controlada outras doenças ou certas condições podem causar ou agravar a asma, dificultando sua melhora. Assim, doenças pulmonares crônicas (bronquite e enfisema); sinusites; doença do refluxo; fatores ambientais (ácaros da poeira, mofo, pelo de animais); fumaça de cigarro; certos medicamentos e problemas sócioeconômicos podem estar envolvidos no fracasso do controle da asma, devendo ser identificados e afastados.

Reconhecendo asma de difícil controle

A asma de difícil controle é um tipo especial de asma, que afeta menos de 5% dos asmáticos. Nestes casos, o indivíduo mantém sintomas mesmo que todas as medidas sejam tomadas. Isso causa muita angústia para os pacientes, seus familiares e profissionais de saúde.

Algumas características são reconhecidas naqueles que apresentam asma de difícil controle como:

Falta de resposta ao tratamento adequado. Uso freqüente ou diário de cortisona oral Uso diário de medicações de alívio como os broncodilatadores Necessidade frequente de atendimento em emergência no último ano Ter apresentado, alguma vez, crise de asma com risco de morte

Tratamento da Asma

O tratamento da asma pode ser didaticamente dividido em duas partes:

Tratamento aliviador – para uso nas crises Tratamento de controle – para combater a inflamação dos brônquios, controlar a asma e evitar novas crises.

Na realidade, o ideal é tratar sempre, e não apenas nas crises. É importante manter uso contínuo da medicação de manutenção, todos os dias, mesmo que esteja se sentindo bem. Existem diversos métodos de tratamento, que serão escolhidos de acordo com as características de cada pessoa. No que diz respeito à asma de difícil controle, a grande dificuldade é que mesmo com o tratamento adequado, os sintomas não se resolvem.

Em 2004 foi lançado um remédio voltado para estes casos (Omalizumabe) indicado apenas para os casos graves de asma grave e que preencham os requisitos: acima de 12 anos de idade, que tenham alergia comprovada. Trata-se de um medicamento de alto custo, cuja aplicação só pode ser feita em hospitais e com acompanhamento especializado. Até agora, as pesquisas têm demonstrado bons resultados no controle das crises de asma, redução do uso de cortisona oral, diminuição do número de internações e melhora da qualidade de vida em grande parte dos pacientes.

Novos medicamentos encontram-se em desenvolvimento, assim como estudos sobre a genética da asma e certamente trarão novas perspectivas para este grupo especial de pacientes.

Educar para vencer a asma

É de suma importância que o paciente aprenda sobre sua doença e que tenha uma boa relação com seu médico, para se atingir sucesso terapêutico. Já na primeira consulta, o médico especialista deverá adotar postura amigável, acessível, explicando a doença e esclarecendo dúvidas. Dessa forma, criará vínculo forte com o paciente e sua família, indispensáveis para se alcançar adesão ao tratamento. Como toda doença crônica, a asma requer exame clínico regular, monitoramento do uso correto da medicação e avaliação a cada consulta do nível de qualidade de vida. A baixa adesão influencia diretamente no mau controle da asma, explicando porque muitos pacientes abandonam, parcialmente ou totalmente. o tratamento.

Tratar asma não é somente tomar remédio

Para se obter o melhor controle possível da asma é preciso, além do uso correto da medicação, manter controle ambiental adequado e, em alguns pacientes, a indicação da imunoterapia (vacinas para alergia). Assim, algumas medidas deverão ser tomadas como:

Não fumar e não permitir que fumem junto ao alérgico. Verificar a presença de outra doença alérgica e tratar (ex: rinite alérgica) Praticar esportes e desenvolver atividades ao ar livre Tomar corretamente os remédios receitados pelo médico especialista. Não se automedicar

Os resultados para quem segue o tratamento

De uma forma geral, os objetivos que podem ser alcançados por um tratamento bem sucedido de asma são:

Atingir e manter o controle dos sintomas Evitar crises de asma Permitir a prática de atividades físicas Evitar que as medicações usadas causem efeitos colaterais Evitar internações Evitar mortalidade por asma