URTICÁRIA NA LINGUAGEM POPULAR

por Dra. Mônica Soares de Souza
Membro da ASBAI RJ

O QUE É?

São placas elevadas e avermelhadas que surgem na pele, acompanhadas de muita coceira.

É um quadro freqüente. Cerca de 20% da população apresenta um episódio de urticária em algum momento de sua vida.

As lesões de urticária costumam aparecer subitamente e podem acabar rapidamente em 1 – 2 horas, ou podem durar até 24 horas. Freqüentemente surgem em grupos, com novos grupos aparecendo enquanto outros vão sumindo.

As urticárias se classificam em agudas e crônicas de acordo com o tempo de evolução, sendo que as crônicas persistem por mais de 6 semanas.

O QUE CAUSA A URTICÁRIA?

As causas mais freqüentes de urticária aguda são : infecções bacterianas, infecções virais das vias aéreas superiores (resfriados), medicamentos, alimentos e parasitoses.

As medicações que mais causam são: penicilinas, cefalosporinas, sulfas, anticonvulsivantes, antiinflamatórios (aspirina e outros). Na atualidade, tem se observado que o tratamento a base de ervas, suplementos alimentares e vitaminas também podem desencadear urticária aguda.

Dentre os alimentos, os mais implicados na fase adulta são o amendoim, peixes e frutos do mar. O leite de vaca, ovos e amendoim costumam ser os alimentos mais comuns em crianças.

As infecções bacterianas como amidalites, sinusites, em geral devido ao Streptococcus ß hemolyticus e Staphylococcus aureus, as infecções pelo vírus da hepatite B ou C, as infecções pelo vírus Epstein baar na mononucleose, as infecções pelo Heliobacter pylori nas gastrites e as verminoses também se acompanham de urticária aguda.

A urticária crônica geralmente representa um desafio para o médico, visto a dificuldade em fazer um diagnóstico preciso da sua causa. O quadro tende a permanecer por longo tempo num eterno vai e vem das crises.

A urticária crônica pode ter origem auto-imune. Os indivíduos afetados são capazes de produzir auto anticorpos (anticorpos próprios) que induzem a liberação de substâncias (como a histamina) acarretando o aparecimento das lesões urticariformes.

Pacientes com doenças da tireóide (hiper ou hipotireoidismo) ou aqueles que apresentam anticorpos anti-tireoidianos com os níveis normais dos hormônios também podem apresentar urticária crônica.

O QUE SE PASSA NO NOSSO ORGANISMO PARA A URTICÁRIA APARECER?

O início dos sintomas da urticária é mediado por uma substância chamada histamina , mas o processo todo da doença é mais complexo.

A principal célula do nosso organismo que libera a histamina é o mastócito .

Esta liberação pode ser devida a um mecanismo de alergia, quando há formação de anticorpos. Em alguns pacientes, certos medicamentos são capazes de desencadear a liberação de histamina sem a presença de anticorpos, logo a reação não é alérgica.

Além da participação do mastócito, outras células também podem induzir a formação de urticária como o linfócito e o eosinófilo .

QUE OUTRAS CAUSAS DE URTICÁRIA EXISTEM?

As chamadas urticárias físicas , como o próprio nome sugere, são causadas por agentes físicos como o frio, pressão, calor e luz. Representam 20 a 30% das urticárias crônicas.

A mais comum é o dermografismo, em que uma pressão linear (ex.: ponta de uma lapiseira) ocasiona um vergão na pele.

A urticária colinérgica é a urticária que pode aparecer após atividades que aumentem a temperatura corporal: banho quente, exercício, febre, estresse emocional.

A urticária ao frio é ocasionada pela exposição da pele ao frio. O diagnóstico pode ser confirmado pelo contato com um cubo de gelo no antebraço por 5 minutos, observando-se então, a formação da urticária.

A urticária de pressão tardia é causada por pressão mecânica estática sobre a pele (até mesmo roupas muito apertadas), ocorrendo cerca de 2 – 8 horas após, e com duração de 12 – 72 horas.

O exercício pode ser outra causa de urticária. Alguns pacientes afetados por esse tipo de urticária podem também desenvolver dificuldade respiratória e/ou perda da consciência. Esta reação grave se denomina anafilaxia induzida por exercício e pode ou não estar associada a ingesta de determinados alimentos anteriormente.

A urticária solar é aquela causada por exposição a luz solar ou a radiações ultra-violeta, podendo ocorrer uma reação de um a três minutos.

A URTICÁRIA É CONTAGIOSA?

Não. Ninguém transmite ou pega urticária.

EXISTEM FATORES QUE PODEM PIORAR A URTICÁRIA?

A urticária pode piorar com fatores que favorecem a dilatação dos vasos da pele como ingestão de álcool, calor, febre, exercícios físicos e estresse emocional. A aspirina produz piora em 20 a 40% dos pacientes com urticária crônica.

EM ALGUMAS SITUAÇÕES CLÍNICAS A URTICÁRIA VEM ACOMPANHADA DE ANGIOEDEMA. O QUE É ANGIOEDEMA?

O angioedema nada mais é do que a urticária nas camadas mais profundas da pele, se demonstrando como uma inchação.

Ocorre mais freqüentemente nas mãos, pés e face. Se o angioedema ocorrer na garganta, a respiração pode ser bloqueada, tornando necessário, o mais rápido possível, medidas de emergência para não haver asfixia.

COMO SE PODE TRATAR A URTICÁRIA?

O primeiro passo é evitar os fatores causais , como alimentos, drogas ou outros.

Os antihistamínicos, chamados de antialérgicos, são utilizados no tratamento das crises ou recorrência da urticária.

Se a urticária não responde aos antihistamínicos, pode se utilizar os corticosteróides por um período curto, devido aos seus efeitos colaterais.

O uso destas medicações deve ser indicado e monitorado pelo seu alergista.

COMO O MÉDICO FAZ O DIAGNÓSTICO E CONDUZ A INVESTIGAÇÃO?

O diagnóstico é feito pela observação das lesões .

Na maioria dos casos, a investigação da causa da urticária é feita principalmente através de uma história clínica detalhada e exame físico minucioso realizado por um médico.

Os pacientes devem ser interrogados sobre todas as medicações que possam estar fazendo uso, inclusive medicamentos manipulados a base de ervas, considerados como naturais, ou até mesmo medicamentos que vinham sendo utilizados anteriormente sem ter relato de reações.

A história é fundamental . A causa da urticária pode estar associada a uma exposição no trabalho, ou a um hobby do paciente.

Em algumas situações são necessários testes cutâneos, exames de sangue, urina e fezes para ajuda na detecção de alguma doença associada ou desencadeante.

Doutor, qual o remédio que eu devo tomar?
É importante saber que cerca de 80% dos casos de urticária crônica são apontados como sendo de causa desconhecida. Nestes casos, a relação de confiança entre o médico e o paciente é de suma importância. Geralmente há remissão espontânea da urticária no período de 1 ano, mas alguns pacientes permanecem sintomáticos por anos.

Há casos mais raros onde se realiza o exame da pele, a biópsia, para uma melhor definição diagnóstica.

Para finalizar a urticária crônica é um desafio diagnóstico e terapêutico para o clínico.